Bon appétit!

Mastering the Art

Hoje viemos falar de um dos mitos da culinária francesa: Julia Child. Dos altos dos seus 1,88 m de altura, Julia foi responsável por trazer aos norte-americanos a alta gastronomia francesa, até então considerada um terreno inóspito e difícil de ser desbravado por não franceses. Com autenticidade e trejeitos um tanto quanto desajeitados, a chef americana foi a estrela de vários programas de culinária na tevê de seu país e escreveu mais de uma dezena de livros.

Casada com um diplomata, seu primeiro contato com a verdadeira cozinha francesa aconteceu quando o casal foi morar em Paris, 1948. Haviam se conhecido alguns anos antes durante a 2° Grande Guerra quando ambos trabalhavam para o departamento de serviços estratégicos (OSS), o serviço de inteligência americano da época (atual CIA). Lá ingressou na badalada escola de culinária Le Cordon Bleu e foi apresentada aos segredos da arte francesa. Na mesma época entrou para um clube feminino chamado Cercle des Gourmettes onde conheceu Simone Beck e Louisette Bertholle que já planejavam um livro de culinária francesa destinado ao público americano. Juntas, escreveram Mastering the Art of French Cooking (esse mesmo da foto), que logo se tornou um best-seller do gênero e lançou as autoras ao mundo. Além da proposta inovadora para a época, o livro ia ao encontro do grande interesse que a cultura francesa despertava desse lado do oceano.

O sucesso do livro rendeu a Julia seu primeiro programa de tevê: The French Chef. De lá até seu falecimento em 2004, Julia passou por diversos shows que terminavam sempre com um simpático “bon appétit”, sempre mantendo sua personalidade marcante e descontração como essência de seus programas. Em 2002 o livro foi base para o Projeto Julie & Julia, levado a cabo por uma blogueira que decidiu executar todas as 524 receitas do Mastering the Art of French Cooking em um ano, desafio que mais tarde rendeu um filme estrelado por Meryl Streep baseado na história. A proposta do desafio sugerido no blog de Julie não agradou a Julia, que considerou a façanha basicamente uma acrobacia, o que não impediu o sucesso do longa-metragem. O filme também mostra diversas passagens da vida de Julia Child, sempre retratadas com muita sensibilidade e bom humor. Uma homenagem justa.

Então nesse início de ano, devidamente munidos com a bíblia da culinária deixada por Julia, nos sentimos mais seguros para nos aventurarmos pelos mais diversos ingredientes. Esperamos fazer jus à chef.

 “People who love to eat are always the best people” – Julia Child

http://www.youtube.com/watch?v=eTo3qSXnYCs

 

Anúncios